quinta-feira, 6 de março de 2014

Vejam as principais dúvidas sobre a formação dos dentes do bebê

Oi mamãe e papai!
Assim que o primeiro dentinho aponta, as dúvidas pipocam. Será que o seu bebê vai ter febre? E diarreia? Mordedor ajuda? Precisa procurar um odontopediatra desde já? Por que ele baba tanto? Pode usar remédio para aliviar a dor? Nossos especialistas respondem a essas e outras questões para você entender direitinho o que vem pela frente e também sorrir aliviada.
Formação dos dentes do bebê/ ( Foto: Masterfile/Other Images)
Quando surgem os dentes de leite?
“Eles despontam entre o sexto e o nono mês, mas os pais não precisam se preocupar com antecipações ou demoras”, avisa o dentista Leonardo Ganzarolli, do Instituto Bibancos de Odontologia, em São Paulo. A arcada de leite se desenvolve até os 3 anos. Nessa idade, a criança deverá ter dez dentes superiores e dez inferiores. Alguns bebês, apressadinhos, já nascem com dentes (é o que os especialistas chamam de dentes natais) ou iniciam esse processo ainda no primeiro mês (dentes neonatais). Um odontopediatra deve ser procurado nesses casos e também se, ao completar 1 ano, o pequeno ainda estiver sem nenhum dente. Entre esses extremos, as variações são normais. Não se preocupe.
Como percebo que eles estão a caminho?
Cerca de um mês antes, a gengiva incha e avermelha. Prepare-se: a previsão é de choro, irritabilidade, dificuldade para dormir e falta de apetite. Não se esqueça também de reforçar o estoque de babadores. “A salivação aumenta devido ao amadurecimento das glândulas salivares, e a criança não con segue engolir o excesso de líquido”, explica a odontopediatra Vivian Farfel, de São Paulo. Por isso, os bebês babam tanto quando saem os dentes.
Por que a chegada dos dentes causa febre e diarreia?
“Uma febrinha leve é normal, já que a erupção dos dentes desencadeia um processo inflamatório”, explica o dentista Marcelo Sarra Falsi, de São Paulo. Quanto à diarreia, o problema é outro. Como os pequenos levam tudo à boca tentando amenizar o incômodo, correm mais risco de entrar em contato com objetos contaminados. É daí que podem vir os distúrbios gástricos que causam diarreias.
O que faço para amenizar o incômodo do meu bebê?
Massagens e contato com baixas temperaturas ajudam a descongestionar as gengivas e deixam seu fofo mais confortável. “Envolva o dedo em uma gaze ou fralda embebida em água filtrada ou soro fisiológico e faça uma leve fricção em toda a gengiva”, ensina Vivian. Outra opção é refrigerar os mordedores de gel antes de dá-los a seu filho. “Colocar uma colher na geladeira e aplicá-la na área também funciona”, diz o dentista Flávio Luposeli, de São Paulo.
Anestésicos locais aliviam as gengivas?
O efeito é passageiro. Além disso, há riscos de medicar o bebê por conta própria. Em casos de febre acima de 38,5 °C ou de inflamação excessiva, que impeça a criança de dormir e se alimentar, o pediatra ou o odontopediatra devem ser consultados. Eles podem indicar um medicamento para diminuir a dor e a inflamação.
Em que momento devo marcar consulta no odontopediatra?
Se o pediatra do bebê acompanha de perto a dentição dele, a visita ao especialista pode ser adiada até 1 ano. Nela, o dentista fará uma avaliação geral e orientará sobre cuidados de higiene, alimentação e hábitos de sucção (chupeta, mamadeira, dedo). Antecipe a agenda, porém, se notar alterações no formato, na cor e no posicionamento dos dentinhos. Fique de olho ainda em traumas (como quedas) e no surgimento de manchas brancas ou escuras, que podem indicar cárie. Foi-se o tempo em que a primeira dentição não tinha importância porque seria substituída. Hoje, sabe-se que ela é fundamental para a deglutição e a digestão dos alimentos, funciona como guia da dentição permanente e influencia o desenvolvimento da fala. Por isso, merece atenção desde cedo, ainda que outros procedimentos preventivos, como a aplicação de flúor, demorem a entrar em cena. “O flúor deve ser encarado como um medicamento, e sua indicação depende do risco de cárie de cada criança”, alerta Vivian.
O que fazer se um dente de leite não nasce? Por que isso acontece?
Os motivos variam. O mais comum é a agenesia, quando o dente não se forma. Isso acontece ainda na gestação. Por volta da sex ta semana, são formados os dentes de leite; no quinto mês, os permanentes. Na maioria das vezes, a falha é de origem genética e não pode ser evitada. Há casos, porém, em que o dente não aparece porque tem sua saí da obstruída pela gengiva, muito espessa, ou devido a algum distúrbio. “Mas é um problema raro na dentição de leite”, diz Falsi. Exames clínicos e radiografias ajudam no diagnóstico. Mais tarde, ao surgirem os permanentes, o uso de aparelho ou um implante corrigem a falha.
Matéria: Claudia Bebê
Beijinhos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga o Instagram

Flickr