domingo, 29 de junho de 2014

Trabalho Infantil: Filhos X Tarefas domésticas

Oi mamãe e papai!

É comum a gente achar que criança adora uma bagunça. De fato eles são craques em produzir uma, mas o que muitos adultos não se dão conta é que eles também gostam e precisam de organização e o quanto é benéfico que entendam as tarefas de casa. Por isso, é muito importante que os pais peçam, sim, ajuda e ensinem os filhos a fazer uma coisa aqui, outra ali. (Aqui em casa, minha filhota me "ajuda" sempre quando peço.

trabalho infantil no brasil-exploração do trabalho infantil-trabalho infantil-jogos infantil-roupas infantil-infantil-educacao infantil-site infantil-site educativos-sites de moda-moda infantil-jogos infantis educativos-site para crianças-melhores sites-child labor in Brazil-exploitation of child labor, child labor, children's games, children's clothes and child-education child-site child-educational-site fashion sites fashion-infant-child-site educational games for kids-best sites-le travail des enfants au Brésil-exploitation du travail des enfants, le travail des enfants, des jeux pour enfants, les vêtements des enfants et des enfants l'éducation des enfants-site-éducatif-site enfant sites de mode fashion-infanto-juvénile site de jeux éducatifs pour les enfants-meilleurs sites-trabajo infantil en Brasil-explotación del trabajo infantil, el trabajo infantil, juegos de niños, ropa de niños y niños de educación infantil-sitio secundario-educativa-site sitios de moda de la moda infanto-child-sitio de juegos educativos para los niños-los mejores sitios

"É muito importante que as crianças possam contribuir com a casa, pois assim adquirem autonomia, se sentem capazes e mais envolvidos com os pais e os irmãos", afirma Marcelo Benvenutti, membro do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. De acordo com ele, os filhos observam as atividades da casa e têm, sim, vontade de aprender as fazer as coisas.

Para o Aurélio Melo, psicólogo e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, contribuir, dentro das devidas proporções, com as tarefas de casa ajuda a criança a ter noção de coexistência e do trabalho das outras pessoas. "Os pais podem propor essa participação como uma brincadeira, sempre de forma leve e envolvendo toda a família", afirma Aurélio.

Uma forma de começar a despertar a consciência de que tudo em casa - a limpeza, a comida, a arrumação das camas - depende de alguém pondo a mão na massa é chamar a criança para acompanhar a execução de algumas tarefas, como a lavagem do quintal. Depois, ela pode começar a fazer coisas pontuais, como levantar da mesa e levar o prato até a cozinha ou juntar os brinquedos em um baú, atos que já são um aprendizado para ela.

Benvenutti aconselha os pais a pedir ajuda em coisas que a criança, com bastante certeza, consiga realizar com facilidade. Por que, na sequência, é bom agradecer, elogiar... Enfim, dar um bom reforço positivo! Mas é bom ter na cabeça que algumas crianças simplesmente não se mostram interessadas. Outras, fazem uma vez e se recusam a repetir a tarefa.  "É importante ter calma para deixar que aos poucos elea se sinta mais envolvida. E paciência de deixar que a criança faça no ritmo e no jeito dela". Não faz sentido é transformar a intenção de introduzir a criança com participante na rotina da casa em uma briga: como todo o aprendizado, ajudar em casa é algo que as crianças aprendem a fazer aos poucos. Devagar, com um incentivo aqui, uma cobrança ali, seu filho deve se tornar mais colaborativo e terá mais condição de lidar com pequenas responsabilidades.  

Na medida certa
Incentivar as crianças a contribuírem com a dinâmica do lar faz muito bem para sua própria educação. No entanto, a felicidade e o bem-estar da criança precisam estar em primeiro lugar. "As atividades realizadas em casa não devem de forma alguma ultrapassar o tempo que o filho passa brincando ou estudando, caso contrário não será benéfico", afirma Benvenutti.


trabalho infantil no brasil-exploração do trabalho infantil-trabalho infantil-jogos infantil-roupas infantil-infantil-educacao infantil-site infantil-site educativos-sites de moda-moda infantil-jogos infantis educativos-site para crianças-melhores sites

Outro ponto importante é zelar, sempre, pela segurança da criança e ter noção de que existem coisas que ela não pode e não deve fazer. Exemplo: se ela quebrou um copo acidentalmente, não deverá recolher os cacos de vidros e levá-los para fora por conta do risco de se cortar.

Tarefas sob medida
Confira na lista abaixo quais atividades são adequadas para o desenvolvimento da criança a cada faixa etária  

Entre 1 ano e meio e 2 anos - Nessa idade a criança pode começar a recolher os brinquedos do quarto. Vale lembrar que as coisas precisam ser feitas em etapas. Portanto, em um primeiro momento, a atividade pode ser juntar todos os brinquedos em um mesmo local. Depois juntar e entregar para a mãe. Por último, ele mesmo pode começar a guardar os brinquedos nas prateleiras.

Entre 2 e 4 anos - Nesse período, as crianças conseguem realizar atividades pessoais como lavar as mãos, escovar os dentes. Além disso, também podem levar o lixo reciclado para fora do apartamento. Mas necessária a supervisão de um adulto.

Entre 4 e 6 anos - As crianças nessa idade já podem começar a ajudar a lavar a louça e retirar os pratos da mesa. Também são capazes de tomar banho sozinhas, arrumar a mochila, vestir o uniforme da escola.

Entre 6 e 8 anos - Com essa idade as crianças já são capazes de arrumar o próprio quarto, fazer o lanche da escola, secar e guardar a louça.

Entre 8 e 10 anos - Nesse período seu filho pode assumir a responsabilidade de levar o cachorro para passear (se a vizinhança for segura) e ficar de olho no irmão menor.

Aqui em casa, minha filha já me "ajuda" a guardar os brinquedos, ajuda a segurar a roupa do varal, me ajuda a fazer pão caseiro, ela adora...Rsrsss
E me ajuda a fazer pequenas tarefas, na maioria das vezes ela não sabe, mais eu insisto e incentivo ela a me ajudar, até por que acredito que isso contribuí para o crescimento e desenvolvimento da criança.  Não estou fazendo um trabalho forçado, ou seja essas pequenas tarefas não se parece em nada com exploração do trabalho infantil, ou trabalho escravo, nada disso. Apenas quero que minha filha aprenda a se "virar"  a se cuidar melhor.

Fonte Consultoria: Aurélio Melo, psicólogo professor na Universidade Presbiteriana Mackenzie e pai de Alexandre e Gabriel; Marcelo Benvenutti, membro do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo e pai do Bruno, Revista Pais e Filhos


Gostaram da matéria? 
Deixe seu comentário logo abaixo e não  esqueça de compartilhar com seus amigos nas redes sociais.

Beijinhos!
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atualizações do Instagram

Topo