domingo, 19 de agosto de 2018

Alerta aos pais: Slime caseiro é seguro? Massinha pode causar alergias e até queimaduras: Confira

Quem tem crianças em casa certamente já ouviu falar da febre que vem fazendo a cabeça dos jovens e consiste em moldar uma "geleca" chamada slime.

slime-alerta-ingrediente-brincadeira-infantil-brinquedo-infantil-filhos-maternidade-pais-e-filhos-massinha-slime

Embora ela possar ser comprada pronta, a criançada adora fazer o seu próprio slime em casa seguindo receitas que misturam produtos com substâncias químicas diversas, o que pode ser perigoso.
Na internet, é possível encontrar inúmeras receitas para fazer slime em casa.

Os materiais que mais aparecem na lista de ingredientes são cola (branca, transparente, de isopor, etc.), tinta ou corante (acrílica, para tecido, corante alimentício, glitter, etc.), água boricada, bórax, bicarbonato de sódio, água oxigenada e produtos de higiene como shampoo, espuma de barbear, sabão líquido e detergente.

Trata-se de uma espécie de meleca que as crianças estão fazendo em casa. Porém, um estudo feito pela Which?, organização britânica especializada em direitos do consumidor e teste de produtos, acaba de alertar para os riscos de um ingrediente presente em muitas destas melecas.

O borax ou borato de sódio é um ingrediente frequentemente utilizado para fazer este brinquedo e muitos consideram que ele apresenta um efeito melhor no resultado final do que a outra alternativa, o bicarbonato de sódio. Porém, a pesquisa da Which? alerta que os níveis de borax presentes no slime são perigosos para a saúde das crianças.

Eles testaram onze marcas que fabricam este brinquedo no Reino Unido e entre elas, oito apresentaram níveis acima do recomendado de borax. O estudo também alerta para o slime feito em casa, mais comum no Brasil. No Reino Unido já há diversos relatos de crianças que apresentaram problemas de saúde após entrarem em contato com o borax.
De acordo com a pesquisa, o contato com o borax em quantidades acima do recomendado, pode causar problemas como cólicas estomacais, vômitos e diarreia. Além disso, este produto também pode causar sérias irritações nos olhos, problemas de fertilidade e caso mulheres grávidas entrem em contato com o produto, o bebê pode ter sua saúde afetada. “Os pais vão ficar em choque ao saberem que a saúde de seus filhos está em risco com este produto”, afirmou o autor do estudo Nikki Stopford.

Diante destas informações, o melhor é não utilizar o borax ou borato de sódio na hora de fazer o slime. Peça para que seu filho escolha o bicarbonato de sódio ou outra alternativa segura como um substituto, o efeito final no brinquedo é praticamente o mesmo.
Onde está o perigo?

Água boricada e Bórax
O maior risco está no uso do bórax e da água boricada.

O bórax (borato de sódio) é a matéria-prima de alguns produtos de limpeza, sabão em pó para máquina de lavar, inseticidas e outros.

A dermatologista Tatiana Gabbi, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), explica que, por ser uma substância alcalina (com pH alto), ela tende a danificar a camada de gordura protetora da pele, comprometendo a barreira cutânea, especialmente em quem tem maior sensibilidade.

Este quadro pode causar o surgimento de eczemas (lesões que parecem feridas vermelhas, coçam e ardem) e dermatite de contato (reação que se assemelha a uma queimadura de pele e causa descamação). Estas reações, por sua vez, predispõem a criança a infecções, uma porta de entrada para condições mais sérias.

Já a água boricada é uma solução composta por ácido bórico, produto que contém o mesmo elemento presente no Bórax. Porém, por ser diluído em água, seu uso apresenta menor risco.

slime-alerta-ingrediente-brincadeira-infantil-brinquedo-infantil-filhos-maternidade-pais-e-filhos-massinha-slime

“Em baixas doses, o ácido bórico costuma não oferecer risco à saúde. Como na água boricada ele está em pequenas quantidades, é uma opção mais segura, mas, ainda assim, há pessoas que têm a pele mais sensível e podem desenvolver os mesmos tipos de problema”, diz a dermatologista Rossana Vasconcelos, também da SBD.

“Com o bórax, a possibilidade de irritação cutânea é maior. E há ainda quem use o ácido bórico puro, o que seria ainda mais perigoso”, alerta.
“A água boricada ainda é um produto feito para usar no corpo humano – no tratamento de conjuntivite, por exemplo. O bórax não, por isso é infinitamente mais agressivo”, complementa Tatiana.

Outro grande risco de utilizar estas substâncias para fazer o slime é a possibilidade de inalação, ingestão ou absorção por meio das mucosas ou feridas na pele. “Este, na verdade, é o maior problema”, diz Rossana.

Náusea, vômito, diarreia e cólica abdominal são alguns dos possíveis sintomas derivados da absorção do bórax e do ácido bórico pelo organismo.

Água oxigenada
A água oxigenada é outra grande preocupação, segundo a dermatologista Tatiana Gabbi. “Ela tem aquele oxigênio que é chamado radical livre, que pode ser agressivo. Se passada na pele, pode causar dermatite de contato por irritante primário, que é a lesão causada pela própria substância, e não porque a criança tem predisposição. Não é para ficar brincando”, crava.

Bicarbonato de sódio

slime-alerta-ingrediente-brincadeira-infantil-brinquedo-infantil-filhos-maternidade-pais-e-filhos-massinha-slime



Para a dermatologista Rossana Vasconcelos, o uso de bicarbonato de sódio também é nocivo, já que ele é capaz de ressecar a pele, favorecendo irritação por contato em crianças que já possuam sensibilidade cutânea e até queimaduras.
Espuma de barbear, shampoo e detergentes
Há ainda um possível dano em manipular por muito tempo a espuma de barbear e detergentes. “Por terem sabão, o pH é mais alto. Apesar de serem produtos feitos para usar no rosto, se a criança ficar brincando o dia inteiro com eles, pode dar o mesmo tipo de problema citado anteriormente, mas em menos grau”, explica Tatiana.

Colas e corantes
As médicas concordam que todos os ingredientes usados no slime caseiro são potencialmente nocivos dependendo de quem os manuseia e como – até os aparentemente inofensivos, como colas e corantes.

Isso porque, além do risco de reação alérgica para as crianças que têm predisposição, o contato destes materiais com as mucosas pode gerar uma irritação mais séria. “Isso pode ocorrer se o pequeno estiver brincando com o slime e levar a mão aos olhos, nariz e, principalmente, à boca”, diz Rossana.

As versões atóxicas destes produtos são a opção mais segura, mas, ainda assim, é preciso certificar-se de que a criança não tem alergia aos componentes e nem irá ingeri-los.

slime-alerta-ingrediente-brincadeira-infantil-brinquedo-infantil-filhos-maternidade-pais-e-filhos-massinha-slime-alergia

Riscos e problemas com o slime caseiro

1º: Crianças atópicas, alérgicas ou com pele sensível
Jovens que têm algum tipo de sensibilidade na pele ou predisposição a condições dermatológicas precisam tomar mais cuidado.

É o caso de bebês até 2 anos de idade, que ainda não têm a barreira cutânea formada e, por isso, não devem brincar com o slime; crianças com alergias de pele; aquelas que têm dermatite atópica, uma condição que deixa a pele avermelhada e ferida e tem relação com o ressecamento; pequenos com a pele sensível.

Nestes grupos, o contato com substâncias capazes de romper a proteção da pele - como é o caso da maior parte dos ingredientes, cujo pH é alto - é mais perigoso, já que eles estão predispostos a isso.

“Crianças que têm dermatite atópica já têm uma barreira cutânea limitada. Se ficar brincando o dia todo com o slime, esfregando no corpo – rosto, pernas, braços –, vai ter o mesmo efeito que um adulto tem ao lavar a mão o tempo inteiro, pode dar dermatite de contato. As mãos têm uma queratina mais grossa, então a proteção é maior, mas tem criança que passa no rosto. Tem que imaginar que ela está brincando com sabão em pó, e sabão absorve gordura da pele e derruba sua barreira”, compara a dermatologista Tatiana Gabbi.


2º: Contato com mucosas e feridas
O segundo grande problema é que, mesmo em crianças que têm a barreira cutânea saudável, o produto pode entrar em contato com mucosas, que são áreas mais sensíveis, ou adentrarem o organismo por meio de ferimentos na pele, ainda que pequenos.

O ácido bórico da água oxigenada, por exemplo, é bastante absorvido por meio do trato gastrointestinal, mas, segundo Rossana, isso não ocorre na pele ilesa. “Só acontece por meio de feridas e por contato com a mucosa [boca, olhos, nariz]. Aí, o efeito é mais tóxico.”

Além disso, as dermatites de contato que podem ocorrer no corpo são ainda mais agressivas nestes lugares. “O olho é uma mucosa bem sensível, então, uma lesão ali deixa a pálpebra vermelha, inchada e coçando, podendo evoluir para infecção. É mais perigoso ainda”, afirma Tatiana.

3º: Reações químicas desconhecidas
Ainda de acordo com Gabbi, além dos possíveis perigos dos ingredientes utilizados, o slime caseiro ainda tem uma desvantagem em relação ao industrializado quanto à segurança do produto final.

Isso porque é difícil prever as possíveis reações químicas que serão produzidas pela combinação dos componentes.

“Ainda que os ingredientes não sejam tóxicos, não dá para afirmar que o produto final não será. No caso do industrializado, existe um controle, padronização e fiscalização”, afirma, explicando que algumas reações, inclusive, podem liberar gases tóxicos.

Rossana endossa a ideia: “No slime industrializado, as concentrações são fixas e ponderadas, com menor chance de reações, e as próprias embalagens vêm com modo de aplicação e luvas para prevenir o contato direto com a pele.”

Existe receita segura de slime caseiro?
Tatiana explica que as misturas que não levam bórax nem água oxigenada têm um nível de segurança maior, mas, ainda assim, não seria possível garantir que o produto final será inofensivo.

Em nota, o presidente do Departamento de Toxicologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), dr. Carlos Augusto Mello da Silva, afirma que as famílias não devem permitir que as crianças fabriquem ou manuseiem gelecas, como o slime, contendo substâncias químicas em concentrações desconhecidas.

“A manipulação de produtos químicos, como água oxigenada, ácido bórico, entre outros, no ambiente doméstico por crianças é perigosa e traz risco de intoxicação, que pode ser grave”, alerta.

Já Rossana Vasconcelos é categórica ao concluir: "A preparação do slime caseiro não é realmente segura.”

Pode brincar ? Quais cuidados tomar?

slime-alerta-ingrediente-brincadeira-infantil-brinquedo-infantil-filhos-maternidade-pais-e-filhos-massinha-slime

O slime industrializado acaba sendo a opção mais segura para a criançada se divertir, e até mesmo essa versão demanda cuidados extras. Para qualquer tipo de slime, os especialistas recomendam:
Permitir o manuseio da geleca somente com o uso de luvas;

Orientar a criança a não esfregar o slime no corpo descoberto ou no rosto;

Impedir o contato com mucosa, certificando-se de que a criança não leve a mão à boca, nariz ou olhos ou mesmo ingira o produto;

Não permitir que a criança brinque com o slime sem um adulto por perto supervisionando;

Evitar que o pequeno passe muitas horas manipulando o brinquedo, especialmente caso haja contato direto com a pele;

Observar qualquer reação na pele ou sintoma diferente.

Como identificar que meu filho está tendo uma reação e o que fazer?

slime-alerta-ingrediente-brincadeira-infantil-brinquedo-infantil-filhos-maternidade-pais-e-filhos-massinha-slime-alergias

Fique atento a sinais de vermelhidão, coceira, inchaço e descamação.

Ao notar alterações, o primeiro passo é interromper o contato da criança com o slime.. Depois, lave com água e hidrate a pele. Se os sintomas não melhorarem após 48 horas, procure um médico, pois pode haver necessidade de tratamento com medicamento.

“Não melhorando após dois dias, o melhor é levar o filho ao médico, pois o quadro pode evoluir, dependendo da causa. Além disso, pode ser que os sintomas não tenham sido causados pelo slime, então, é melhor investigar”, orienta Tatiana.

Fonte: Fonte: R7, Vix

Veja também:

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atualizações do Instagram

Topo