sábado, 18 de agosto de 2018

Mãe faz um alerta sobre solução nasal que quase tirou a vida de seu filho. Veja

Soluções para aliviar obstruções nasais são comuns e podem ser facilmente encontradas em farmácias, a preços acessíveis e sem necessidade de prescrição médica. 
O que a Ana Carolina Oliveira, de Belo Horizonte (MG), mãe de Davi Lucca, 2 anos, não imaginava era que um frasquinho que parecia algo tão inocente pudesse levar a um susto tão grande. “Meu filho encontrou meu soro de nariz no bolso de uma blusa e foi uma esguichada na boca, mais ou menos 10 ml”, conta. “Rapidamente, tomei da mão dele, mas já era tarde. Ele bebeu”, lembra.

Mãe faz um alerta sobre solução nasal

mãe, perigo, maternidade, solução nasal
Ana Carolina e Davi Lucca: ele foi parar no hospital depois de ingerir uma solução nasal (Foto: Arquivo pessoal/ Ana Carolina Oliveira)

A primeira atitude de Ana foi ler a bula do medicamento. No trecho que orientava sobre superdosagem, o texto dizia que os sintomas poderiam ser náusea e diarreia. “Li umas 100 vezes”, disse, em entrevista a CRESCER. Segundo a mãe, 20 minutos mais tarde, Davi deitou na cama e disse que queria dormir. “Eram 20h. Achei muito estranho”, contou ela, que ficou ainda mais preocupada. O pequeno, então, começou a suar e não conseguia mais ficar em pé. Apavorados, os pais correram para o hospital.

“Ele começou a ficar gelado e desmaiou. ‘Meu filho morreu’: era só nisso que eu pensava. Entrei em pânico no hospital, pedindo para ressuscitarem meu filho”, relata. Os pediatras do hospital, então, mediram a temperatura do garoto, que estava com 34ºC, hipotermia. A frequência cardíaca baixou para 50, o que significa risco de parada.

perigo, hiportemia, filhos,maternidade
O pequeno teve hipotermia e diminuição da frequência cardíaca (Foto: Arquivo pessoal/ Ana Carolina Oliveira)

Os médicos, então, levaram Davi para o Centro de Tratamento Intensivo. “Meu mundo acabou. Como pude deixar acontecer isso com o meu filho? Eu sou culpada, é meu dever protege-lo. Sou uma péssima mãe”, escreveu Ana Carolina, em um grupo de mães. Felizmente, depois de algumas horas, a frequência cardíaca e a temperatura se restabeleceram. “Fomos para casa no dia seguinte. O pesadelo acabou”, contou a mãe. “Depois disso, fiquei em estado de choque, sem comer e sem falar por uma semana. Limpei minha casa umas dez vezes consecutivas, procurando alguma outra coisa que pudesse machuca-lo”, relata.

O que diz a especialista

Existem duas versões de soluções nasais: a adulta e a pediátrica. O produto voltado para crianças não faz nada, além de ressecar a mucosa. Já o adulto costuma ter uma substância mais potente, o cloridrato de nafazolina, caso do medicamento ingerido por Davi Lucca. “Quanto menor a criança, maior o risco da ingestão desse componente. E os efeitos colaterais são esses mesmo: sonolência, sudorese, palidez, hipotermia (queda de temperatura), braquicardia (redução da frequência cardíaca) e a respiração mais lente”, explica Maria Inês Nantes, pediatra do Hospital da Criança, da Rede D’Or São Luiz (SP).
De acordo com ela, mesmo sendo um medicamento muito comum e vendido sem prescrição, é um remédio e precisa ser mantido sempre longe do alcance das crianças. Se seu filho ingerir ou inserir o produto no nariz, o ideal é mesmo procurar ajuda médica, para avaliar melhor a situação e contornar os sintomas.
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atualizações do Instagram

Topo