Cantinho Infantil da Mamãe
sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Já sentiu raiva de si mesmo por ter um coração tão bom com quem não merece?

Esse pode ser um tema muito sensível por se tratar de nós mesmo, mas não é tão incomum se arrepender por ter tido boas atitude com alguém, com uma dedicação tão grande, que quando o véu da bondade é descortinado por essa pessoa que foi ajudada, mostrando na verdade que só quis se aproveitar da generosidade é possível sentir raiva de si mesmo por não ter conseguido enxergar antes a verdadeira “face” da pessoa.
raiva-girl-blog-materno-maternidade-filhos-espelho-face-pensativo-menina-espelho-reflexão-pensativo-espelho

Esse tipo de experiência ninguém gostaria de ter, mas é preciso aceitar que o arrependimento de ter oferecido ajuda ou apoio, independente da origem, se foi financeira, afetiva ou outros, é uma lição que nos ajuda no amadurecimento. É natural sentir raiva de si mesmo achando que agiu com muita ingenuidade de não ter percebido os sinais de que a tal pessoa não estava nem aí.
Ok aconteceu, agora é hora de se perdoar e não deixar que o “dito” ingrato, tenha o poder de nos transformar em pessoas amargas ou severas.


A experiência nada agradável deve ser considerada nas próximas situações, mas não devemos aceitar nem dar o poder a essa pessoa de nos tornarmos amargurados. Então sentir raiva por um tempo, pode acontecer, só não deixe que dure por muito tempo.

Nessa questão, tem um lado chatinho de se admitir, às vezes o sujeito já aprontou com outras pessoas, mas por uma questão de orgulho ou mesmo ingenuidade, queremos acreditar que conosco será diferente.


Ter um bom coração faz parte da construção de uma pessoa de bem, porém, é importante observar se toda essa bondade não está sendo usada de maneira abusiva. Nesse caso, cabe uma avaliação se está ajudando por boa vontade ou se, de certo modo está havendo uma imposição por parte do outro. Se for assim, saiba que o mais importante é ter seu coração tranquilo e não aceitar chantagem emocional, entendendo que o fato de não se sentir a vontade ou em condições de atender um pedido de ajuda, não significa que a outra pessoa irá se afastar. Se isso acontecer você não perdeu nada.


O que você achou do texto?
Compartilhe!!!

Veja também:

Relato de um  pai que tem um filho TDH

Mãe faz seu próprio parto, no chão da emergência de hospital público: Veja o vídeo

A gestante Paula da Silva, de 29 anos, fez o próprio parto no chão do hospital público na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Muitas pessoas presenciaram a cena e registraram em vídeo a gravida dando à luz sem nenhum atendimento médico na recepção do hospital.
parto-chao-hospital-youtube-trabalho de parto-o parto-parto natural-gravida-gestante-maternidade-amor-filhos-criança recem nascida-bebê-bebe recem nascido


A bebê nasceu sem nenhum direito a sala de parto, a uma cama, a assistência de médicos e enfermeiras. Sem direito a um lençol limpo para cobrir o bebê que acabava de vir ao mundo, sem direito a nada.


A própria mãe fez o parto. E ficou ali no chão em cima de uma poça de sangue com a placenta, preocupada em ouvir o choro da filha, dando leves tapinhas na costinha da bebê, pra ver se a filha chorava ou fazia algum barulho.
Veja o vídeo⇊


Os parentes contaram que apesar dos apelos do esposo para que ela fosse atendida rapidamente, os funcionários do hospital disseram que era preciso esperar.



“Mandaram ela esperar e ela ficou ali caída no chão. Foi aonde que ela ganhou a bebê. Não apareceu médico nenhum. Aí depois que ela ganhou o neném que apareceu uma enfermeira para poder ver, mexeu lá , bateu no neném para ver se reanimava o neném”, conta o primo de Paula, Charles da Silva.


A bebê nasceu de 36 semanas, abaixo do peso e está na UTI, mas passa bem.
A bebê recebeu o nome de Dalila.
 A Secretaria Municipal de Saúde do Rio declarou que vai investigar as condições do atendimento e tomar as medidas cabíveis.
Fonte: G1 e Midia Max

Veja também:

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Papai Noel senta no chão, para dar colo e alegria a menino autista e cego. Confira

Confira a emocionante história deste menino e de sua mãe que o levou para conhecer o Papai Noel.
papai-noel-menino-autista-maternidade-amor-familia-natal
A mãe norte-americana Misty Wolf viveu um momento emocionante e contagiante ao levar seu filho Matthew, de seis anos, para conhecer o Papai Noel. 


Ocorre que Matthew é uma criaça autista e cego e por estes motivos, Misty estava um pouco preocupada em relação a como seria o encontro com o Bom Velhinho.

Para a surpresa e emoção de Misty, tudo foi muito melhor do que ela poderia imaginar. A emoção foi tanta que ela decidiu contar a história deste encontro nas redes sociais e seu relato viralizou.


Confira o relato de Misty e as lindas fotos de Matthew com o Bom Velhinho a seguir:
papai-noel-menino-autista-maternidade-amor-familia-natal

“Eu sussurrei para o Papai Noel: ‘Ele é cego e autista, mas ele gosta de  você’. E ele respondeu: ‘Não precisa dizer mais nada!’. Imediatamente ele se sentou no chão para cumprimentar meu homenzinho.  
Ele conversou com Matthew por um longo tempo. Deixou ele puxar sua barba, sentir o seu gorro e falou para ele sobre sua roupa.
Ele perguntou ao Matthew se ele queria sentir mais alguma coisa e meu filho respondeu: ‘seus olhos que piscam (por causa de um poema que li para ele)’.

Então, o Bom Velhinho deixou ele tocar seus olhos pelo tempo que desejou.
papai-noel-menino-autista-maternidade-amor-familia-natal




Ele então perguntou pro meu filho: ‘você já sentiu uma rena?’.

Ele levou meu filho para a área da decoração onde havia o enfeite de uma rena em tamanho natural e deixou Matthew acaricia-la. Foi tudo tão maravilhoso, meu coração se encheu de alegria ao ver o que ele fez por meu filho. Ele com certeza foi o melhor Papai Noel!
papai-noel-menino-autista-maternidade-amor-familia-natal

Matthew tem seis anos. Ele nasceu prematuro de 24 semanas. Seu irmão gêmeo não sobreviveu. Matthew passou 111 dias na UTI neonatal. Ao verem seus exames, os médicos disseram que ele nunca iria andar ou falar. Mas Deus tinha outros planos”.

O que você achou da atitude deste papai noel?


Comente e COMPARTILHE!!!

Veja também:

Teu filho te escolheu como mãe
Mãe fica semanas com seu bebê sem vida

Antigo xarope natural, caseiro que cura a tosse rapidamente e elimina o catarro. Confira esta dica para sua saúde e bem estar

Essa receita caseira de xarope natural, ajuda na sua saúde e bem estar eliminando o catarro e a tosse.

Xarope natural

xarope_de_cenoura-bem estar-saude e bem estar-xarope para gripe-dicas de saude-xarope de cenoura-receita de xarope case-xarope para tosse e-gripe-xarope natural-xarope gripe-bem estar-saude e bem estar

Trata-se de  um xarope feito com ingredientes naturais, bastante eficientes.
Além disso, esses ingredientes são encontrados facilmente e têm um custo muito  baixo.

A cenoura, por exemplo, é um alimento muito saudável que proporciona diversos benefícios ao corpo, como:
- Aumenta a imunidade
– Reduz o colesterol
– Previne contra o câncer
– Combate a acne
– Fonte cálcio e vitaminas
– Auxilia a digestão
– Purifica o corpo


Este fantástico xarope pode ser utilizado por adultos e crianças (a partir dos 3 anos).
Ele é super fácil.
E os resultados são maravilhosos.

Xarope de cenoura

xarope_de_cenoura-bem estar-saude e bem estar-xarope para gripe-dicas de saude-xarope de cenoura-receita de xarope case-xarope para tosse e-gripe-xarope natural-xarope gripe-bem estar

Faça e comprove:

INGREDIENTES

Meio quilo de cenoura
4 colheres (sopa) de mel
Água

MODO DE PREPARO
Coloque as cenouras em uma panela e deixe fervendo, até que elas fiquem macias.
Retire as cenouras da tigela, mas não jogue a água fora.


Amasse as cenouras com um garfo ou coloque-as no liquidificador.
Em seguida, adicione o mel à água e misture bem.
Depois, acrescente a esta mistura de água e mel o purê de cenouras.
Mexa e guarde num frasco de vidro com tampa.
Mantenha o xarope na geladeira.
Tome 4 colheres (sopa) do xarope durante o dia.
Crianças tomam 4 colheres (chá) por dia.
Em dois dias, você começará a sentir os resultados.​
Esta é uma receita caseira de xarope de cenoura não substitui o tratamento do seu medico, para sua segura e bem estar sempre consulte o seu médico.
Fonte: Dicas e Curas pela natureza

Gostou da receita?

COMENTE E COMPARTILHE!

Veja também⇣⇣⇣

domingo, 9 de dezembro de 2018

Mãe fica 14 dias com sua bebê recém-nascida, apos ela ter nascido sem vida

A mãe Emma Woodhouse desabafou sobre como foi passar 14 dias com sua bebê que nasceu morta
Emma deu à luz gêmeas, Jess e Bella.
mae-bebe-natimorta-parto-gravidez-de-risco-gestação-maternidade-mãe-de-gêmeos-família-criança-recem-nascida

Emma cuidou de sua filha natimorta por duas semanas, levando-a para passear no carrinho, cantando e esfregando loção em sua pele.
mae-bebe-natimorta-parto-gravidez-de-risco-gestação-maternidade-mãe-de-gemeos-familia-bebê

Finalmente, eu era uma mãe gêmea
Eu sonhei com aquele momento por sete meses

Mesmo que Jess estivesse morta, ela ainda era meu bebê e ainda a irmã de Bella. Eles não eram idênticos, mas isso não importava - eles tinham um laço inquebrável que não podia nem ser cortado na morte.


Naquele estágio, eu não podia aconchegar os dois enquanto Bella era um emaranhado de fios, alimentando-a e ajudando-a a respirar. Mas, surpreendentemente, quando seu irmão gêmeo foi colocado ao lado dela, o ritmo cardíaco anteriormente fraco de Bella aumentou.

Era como se ela soubesse que sua irmã estava lá - insistindo com ela.
Cuidadosamente eu me vestia e lavava ela, beijava seu minúsculo corpo
O hospital tinha um fotógrafo e ele tirou fotos de nossas meninas juntas.


Nas duas semanas seguintes passamos todos os momentos acordados com Jess, conhecendo-a da melhor maneira possível. Eu dormi em uma enfermaria, me recuperando do trauma do parto, mas assim que estava acordada eu corria de volta para a minha garota.
Cuidadosamente, eu a vestia e lavava, beijava seu minúsculo corpo, cheirava sua cabeça macia e a levava para passear no carrinho ao redor do hospital e do lado de fora, no terreno do hospital.

Nós cantávamos para ela, e sussurrávamos o quanto a amamos em seu ouvido.

"Eu te amo muito", eu dizia a ela.


Pela primeira vez, pude pegar minhas duas meninas nos braços
Cerca de uma semana depois que ela nasceu, Bella teve seu tubo de respiração removido e estava bem o suficiente para ser abraçada. Então, pela primeira vez, pude pegar minhas duas garotas nos braços e abraçá-las simultaneamente.
mãe-maternidade-gemeos-parto-gravidez-de-riscos-gestação-amor-familia-natimorto-parto-gravidez-de-riscos-criança-recem-nascida-bebê-gemeas

Foi um momento tão precioso. 
Mas, depois de duas semanas, era hora de dizer adeus. 
Mas eu não queria deixá-la ... Eu poderia ter ficado com ela para sempre.

Realizamos seu funeral e a colocamos em um pequeno caixão branco enquanto cantávamos as músicas.
mãe-maternidade-gemeos-parto-gravidez-de-riscos-gestação-amor-familia-natimorto-parto-gravidez-de-riscos-criança-recem-nascida-bebê-gemeas-natimorto-pai-filho

Voltamos para casa uma família de seis pessoas, não sete, como esperávamos
No dia 6 de agosto, Bella recebeu alta do hospital e voltamos para casa com uma família de seis pessoas, não sete, como esperávamos.

Um exame subseqüente das placentas de ambas as garotas revelou que Bella estava no processo de se deteriorar como a de sua irmã - o que significa que se ela não tivesse chegado quando o fez, ela provavelmente também teria morrido.

Colocamos as cinzas de Jess em uma urna branca e as colocamos em nosso quarto. Esperamos que quando morrermos eles se misturem com as cinzas de Paul e as minhas. Nós fotografamos as crianças com a urna e Jack sabe que sua irmã está lá. "Oi Jessica, eu sinto sua falta", ele diz regularmente.
mae-bebe-natimorta-parto-gravidez-de-risco-gestação-maternidade-mãe-de-gemeos-familia-bebê-criança-recem-nascida


É de partir o coração, mas também acho isso reconfortante. Ele não vai esquecê-la. Eu tenho cinco filhos e ele sabe disso.



Eu sei que algumas pessoas podem pensar que é estranho que por duas semanas eu me sentei com meu filho morto, cuidei dela, caminhei com ela, cantei para ela e tirei fotos com ela.

Mas eu não me importo. Por sete meses eu a criei e a nutri no meu ventre. Eu a amava muito e ainda amava. Ela era um bebê de verdade e quero que as pessoas saibam disso.
Fonte: Kidspot, The Sun

O que você achou do relato desta mãe?

Comente e compartilhe!!!

Veja também ⇣⇣⇣

Atualizações do Instagram

Topo